menu
São Paulo - SP | Whatsapp:
J Silva
São Paulo - SP
POLITICA
POLÍTICA
POLÍTICA
POLITICA
Postada em 31/01/2017 ás 01h34 - atualizada em 31/01/2017 ás 01h52
Puccinelli ou Simone: PMDB alega ‘nome a zelar’ e quer enfrentar Azambuja em 2018
Decisão deve sair em abril

Mariana Anjos





Apesar de integrar a base de sustentação do governo de Reinaldo Azambuja (PSDB), o PMDB estuda dois nomes para disputar com o tucano as eleições de 2018. Um deles é o ex-governador, André Puccinelli, que visitou o presidente Michel Temer (PMDB-SP) na última semana, e a senadora Simone Tebet, ex-prefeita de Três Lagoas e ex-vice governadora. 



Segundo o presidente regional da sigla e presidente da Assembleia Legislativa, deputado estadual Junior Mochi, logo após o carnaval, a legenda vai se reunir para iniciar as tratativas sobre as eleições para o governo do Estado. 



SAIBA MAIS



'Não estou a fim': Puccinelli insiste que é 'vovôtorista' e rejeita candidatura



Délia Razuk ainda não oficializou sua renúncia à Assembleia Legislativa



Sem interesse da União, ação contra Puccinellli é remetida à esfera estadual



 



“A ideia é que até abril a gente decida se vamos sair com candidatura própria ou vamos nos coligar. Essas são as duas opções. Com relação a nomes, claro que o do ex-governador é um desejo de todos da legenda, mas depende da vontade dele primeiramente. Quem também vamos buscar saber de seu interesse é a senadora Simone Tebet”, declarou Mochi.



Apesar da intenção em ter candidatura própria, a decisão ainda depende da vontade de Puccinelli, e, caso André e Simone, não se interessem pela vaga, o PMDB pode apoiar a reeleição de Azambuja. “Se não definirmos um nome para uma candidatura própria claro que uma coligação seria com Reinaldo, até por que não se ve outro nome”.



O discurso de Mochi é o mesmo da cúpula do partido, de recuperar o espaço perdido em Mato Grosso do Sul, nem que para isso seja necessário enfrentar o atual aliado. 



“O governador sabe e sempre deixamos claro que nossa parceria é com relação as ações do governo, mas partidariamente cada um busca seu caminho. O PMDB é uma legenda forte e que tem um nome a zelar. Vamos buscar nosso espaço e caso não vejamos possibilidade sem dúvida vamos apoiar a reeleição do governador”, destacou o parlamentar.



Mochi enfatizou que por mais que pareça estar longe, o objetivo é decidir até abril o rumo do PMDB, até por que, segundo ele, tem que ser definido também os candidatos dos outros cargos, de deputado estadual, federal e senador. (Foto Cleber Gellio / Midiamax)


FONTE: Midiamax
leia também
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
mais lidas do mês
Enquete
Qual sistema operacional para Smartphone você mais gosta?

android
113 votos - 46.5%

ios (iphone)
100 votos - 41.2%

windons
30 votos - 12.3%

facebook
twitter
© Copyright 2017 :: Todos os direitos reservados