menu
São Paulo - SP | Whatsapp:
Evandro Jr.
São Paulo - SP
POLÍTICA
POLÍTICA
POLÍTICA
POLÍTICA
Postada em 22/07/2016 ás 21h24 - atualizada em 22/07/2016 ás 21h41
Após constatar falha no processo, Justiça 'devolve' prazo a denunciados
Envolvidos devem apresentar em 15 dias a defesa prévia por escrito. Desembargador diz que

O desembargador Luiz Cláudio Bonassini da Silva determinou a “devolução” do prazo de 15 dias, para que os denunciados na Operação Coffee Break apresentem a defesa prévia por escrito. A decisão atende a um pedido feito pelo empresário João Alberto Krampe Amorim dos Santos, dono da Proteco, sob a alegação de que muitas das mídias digitais usadas para embasar a denúncia não constam nos autos, o que dificulta a sua defesa.



Antes de decidir, o magistrado solicitou à Secretaria Judiciária para que o fato fosse apurado. Como a reclamação foi comprovada, para evitar que o processo seja anulado sob o argumento de cerceamento de defesa, Bonassini determinou que as falhas sejam sanadas, com a inclusão do material que falta aos autos.



No pedido o advogado Benedicto Arthur de Figueiredo Neto, que defende Amorim no processo, alegou que não estão no processo as mídias referentes a Operação Adna, como o laudo dos dados telefônicos de João Amorim, e também os documentos relativos às declarações prestadas pela Proteco à Receita Federal.



Bonassini também mandou que seja digitalizado todo o material e que isso deve ser feito com urgência pela empresa que presta esse serviço ao Tribunal de Justiça, para que todas as partes tenham “acesso simultâneo à integralidade das provas”.



Em seu despacho, o desembargador enfatiza que a contagem do novo prazo vale também para aqueles que já apresentaram a defesa prévia. E o prazo processual começará a ser contado depois que todo o material seja incluído nos autos.



Investigações

As buscas começaram no dia 31 de julho de 2015. A operação foi deflagrada em 25 de agosto, quando nove vereadores foram conduzidos para prestar depoimento no Gaeco, além de afastar dos cargos o então prefeito Gilmar Olarte e o presidente da Câmara Municipal, Mario Cesar Fonseca (PMDB).



Promotores analisaram o segundo semestre de 2013 até depois de 12 de março de 2014, quando Bernal teve o mandato cassado. “Está claro que houve de fato uma associação de pessoas, que por interesses empresariais e políticos, orquestraram um plano para, por meio de oferecimento de vantagens, obter votos para a cassação do prefeito Alcides Bernal”, explicou na época o coordenador do Gaeco, Marcos Alex Vera de Oliveira.



Denúncia da Coffee Break acusando 24 pessoas é entregue à Justiça (Foto: Alysson Maruyama/TV Morena)



Denúncia da Coffee Break acusando 24 pessoas é

entregue (Foto: Alysson Maruyama/TV Morena)



Três pessoas indiciadas por corrupção ativa, atuaram para angariar votos para a cassação, realizando reuniões e oferecendo vantagens. Houve inclusive compra de apoio para afastar Bernal. “Percebemos que os valores são variáveis. Agora percebemos casos que a movimentação desses valores tão muito maiores que em outros casos”.



Todas essas pessoas movimentaram duas a três vezes dos ganhos anuais. “Para citar apenas um exemplo, um vereador declarou ter recebido R$ 393 mil no ano de 2013 e movimentou em suas contas R$ 4,3 milhões”, ressaltou Marcos Alex. Cinco pessoas foram identificadas como articuladoras do esquema. “Temos cinco figuras principais, ligadas à área empresarial e da área política, que efetivamente desenvolveram uma postura mais ativa”, falou.



Cassação

Bernal teve o mandato cassado em 12 de março de 2014. Dos 29 vereadores de Campo Grande, 23 votaram a favor da cassação de Bernal por irregularidades em contratos emergenciais. Seis foram contra. Com isso, o então vice-prefeito Gilmar Olarte (PP) assumiu o comando do Executivo do município.



No dia 15 de maio de 2014, o juiz David de Oliveira Gomes Filho, da 2ª Vara de Direitos Difusos Coletivos e Individuais Homogêneos de Campo Grande, suspendeu o decreto de cassação e concedeu liminar para volta dele à chefia do Executivo municipal.



Na madrugada do dia 16 de maio de 2014, o TJ-MS acatou recurso da Câmara e cassou a liminar que determinava a volta de Bernal ao cargo de prefeito. Desde então, a briga passou por várias instâncias da Justiça, chegando até ao Superior Tribunal de Justiça (STJ).


leia também
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
mais lidas do mês
Enquete
Qual sistema operacional para Smartphone você mais gosta?

android
113 votos - 46.5%

ios (iphone)
100 votos - 41.2%

windons
30 votos - 12.3%

facebook
twitter
© Copyright 2017 :: Todos os direitos reservados